19/03/12 | Eventos

BBF, meu BFF por um final de semana

Fim de semana, sozinho em casa, com um trabalho do mestrado para pensar e um festival de cerveja artesanal a um quarteirão de distância. Pois, no último fim de semana, entre os dias 9 e 11 de Março, aconteceu o Barcelona Beer Festival (BBF) e foi meu best friend forever durante o final de semana. Não apenas por estar na esquina da minha casa eu fui compelido a comparecer no evento, ele aconteceu em no Convent de Sant Augustí, um ex-monastério medieval, e tinha mais de 100 cervejas diferentes.

Eram exatamente 33 torneiras de cerveja que se revesavam com os mais diferentes estilos, marcas e nacionalidades. Dentre as marcas internacionais existiam alguns nomes como: Brew Dog, Brew Fist, Brouwerij De Molen, Flying Dog, Left Hand, Meantime, Nogne, Rogue e Sierra Nevada. E dentre as nacionais catalanas estavam nomes como: Art Cervesers, Montseny, CervesArt, Cerberus, Guineu, Fort, Moska e Zulogaarden. E o evento ainda contava com uma cerveja própria que não tive o prazer de beber.

33 torneiras - Barcelona Beer Festival

A entrada do Barcelona Beer Festival era gratuita, mas para beber era precisa fazer um primeiro investimento de 5€ para comprar o pack de iniciante que vinha com um copo exclusivo do evento, 5 fichas que eram a moeda do evento e um pequeno guia que explicava brevemente o que eram cervejas artesanais, algumas harmonizações com comidas, alguns estilos como Lager, Ale e Lambic e também, claro, cada cerveja que estava presente, com seus devidos ABV, IBU, país e seu preço na moeda corrente. Acabadas suas fichas de iniciante era possível comprar packs de 7 ou 15 moedas por 5€ e 10€, respectivamente. Cada cerveja variava entre 2 e 5 moedas, ou seja, algo em torno de 2€ por copo, um preço justo comparado a média dos bares por aqui.

Para escolher sua cerveja era preciso consultar um quadro que informava o código da torneira que ela se encontrava. Infelizmente isso não funcionou muito bem. Acredito que a organização não esperava todo o público que compareceu e não conseguiam manter o quadro atualizado com as torneiras. Por conta disso eu preferi ir direto nas torneiras para escolher o que beber. Algumas que tive o prazer de beber foram:

  • Aktien Hell, Alemanha, 5% – Munich Helles Lager
  • Brew Fist Spaceman, Itália, 7,0%, IBU 70 – India Pale Ale
  • Brew Dog Dogma, Escócia, 8,0%, IBU 65 – Ale
  • De Molen Weer & Wind, Holanda, 16,2%, IBU 51 – Barley Wine
  • Dark Horse Crooked Tree IPA, USA, 6,0%, IBU 50 – India Pale Ale
  • Javier Aldea Blendead, País Vasco, 7,0%, IBU 40 – Blend de American Pale Ale con malte caramelizado
  • Freigeist Abraxxxas, Alemanha, 6,0% – Berliner Weissbier
  • L’Anjub Juliett, Catalunha, 6,2%, IBU 92 – Extra Stout
  • Gueuzerie Tilquain Draught, Bélgica, 4,8% – Lambic
  • Jopen Gerstebier, Holanda, 6,5%, IBU 30 – Blond Ale
  • Rogue Double Dead Guy, EUA, 9,0% – American Strong Ale
  • Rogue Chatoe Oregasmic, EUA, 5,3%, IBU 40 – American Pale Ale

pack iniciante - Barcelona Beer FestivalQueria lembrar poder escrever sobre cada uma delas. Mas deixo o destaque para a Tilquain, já que Lambic era quase novidade para mim, só tinha bebido um copo na Cantillon, durante a BierTour com o Nicholas; a Weer & Wind, por ter sido a mais alccólica e doce que tomei, mas que não chega a ser enjoativa; e a Juliett, por ter sido a cerveja mais amarga que já tomei, mas que não chega a ser insuportavelmente amarga.

Valeu muito a pena comparecer ao evento exceto por razões acadêmicas. Bebi cervejas incríveis, algumas mais normais e outras mais extremas, mas cada uma com sua identidade e equilíbrio. Também percebi que o segmento de cerveja artesanal na Espanha, mesmo sendo um pouco mais desenvolvido que o brasileiro ainda é muito de nicho, mas que vem crescendo nos últimos anos.

E aí? Quando teremos um evento assim no Brasil? (A partir de Outubro, por favor)

Créditos das fotografias Diego Dacal