01/04/14 | Economia e Mercado

Você está sendo enganado pela quantidade de chopp no Rio de Janeiro

A Proteste, associação sem fins lucrativos que defende o direito dos consumidores no Brasil, fez o teste do chopp em 30 bares da cidades do Rio de Janeiro com resultados bem preocupantes. Apenas um dos bares serve o volume oferecido no cardápio.

No copo à esquerda a quantidade é de 210 ml e à direita 260 ml. (Fonte: Proteste)

No copo à esquerda a quantidade é de 210 ml e à direita 260 ml. (Fonte: Proteste)

Quando pedimos um chopp em qualquer bar, temos o direito de saber o volume que será servido. Essa quantidade deve levar em conta apenas o líquido, não o colarinho, pois quando ele é dissolvido, o volume de cerveja chega a ser irrisório. Foi com base nesses parâmetros que a associação circulou diversos bares cariocas fazendo a avaliação.

Após pedir um chopp em cada bar, o líquido era derramado em uma proveta com a medição de volume e o colarinho era dissolvido usando uma substância chamada dimeticona. Entre todos os bares visitados, apenas o Reza Forte, do Méier, atende o volume pedido pelo cliente, com seu copo indicando a quantidade de chopp servido para conferência do cliente.

Alguns bares surpreenderam na diferença entre o volume cobrado e aquele realmente servido, como o Café e Bar Hipódromo, na Gávea, que serviu apenas 144ml dos 216ml oferecidos, diferença de 33% entre os volumes. Nas tulipas, a maior diferença encontrada foi também de 33%, no Boteco Belmonte, servindo apenas 200ml dos 300ml ofertados.

A entidade sugere que os bares passem a usar copos com a marcação do volume a ser servido, o mesmo modelo usado pelos pints na Inglaterra e alguns copos de cervejarias belgas, principalmente aqueles usados para servir Strong Ales, com 250ml.

Para ver os volumes servidos pelos bares, acesse o site da Proteste e baixe o material da pesquisa.

Fonte: Proteste