27/01/15 | Cervejas e Comidas

Bodebrown Produzirá Cerveja Na Escócia Em Parceria Com A Caledonian Brewery

Depois do sucesso na Inglaterra da Curitiba Pale Ale, produzida em parceria com a Adnams no ano passado, a cervejaria curitibana Bodebrown parte para outra produção no Reino Unido. Vai produzir na Escócia uma edição especial de um de seus maiores sucessos, a Wee Heavy, num trabalho colaborativo com a Caledonian Brewery, gigante do setor que tem 140 anos de história. Os irmãos cervejeiros Samuel e Paulo Cavalcanti, fundadores da empresa, partem no dia 6 de fevereiro para Edimburgo. O resultado desta parceria poderá ser saboreado a partir de março numa rede de mais de 900 pubs espalhados pelo Reino Unido, integrantes do grupo JD Wetherspoon.

Bodebrown - wee heavy - imagem que vai nas chopeiras do Reino Unido

A Wee Heavy que será produzida lá também vai participar do festival The Real Ale Festival, de 13 a 29 de março, na capital inglesa. Este evento é organizado pela rede JD Wetherspoon e reunirá uma seleção de 10 cervejeiros do mundo inteiro, com representantes dos cinco continentes, com produções colaborativas.

O novo convite para a Bodebrown criar em terras britânicas surgiu da excelente aceitação da Curitiba Pale Ale,  criada em dobradinha com a Adnams Brewery, de Southwold, na costa da Inglaterra, em 2014. Ela foi vendida durante a Copa do Mundo na mesma rede de bares – que vai de pubs centrais até quiosques em aeroportos britânicos. Levava na receita um toque brasileiríssimo de pimenta rosa.

A escolha da Wee Heavy para este retorno ao velho mundo é muito especial, conta Samuel Cavalcanti. “Esta cerveja é de um estilo escocês, o Strong Scotch Ale. A Bodebrown introduziu este tipo de cerveja no Brasil. Poder fabricá-la agora no seu país de origem, com aval de uma grande cervejaria de lá, é um reconhecimento incrível ao trabalho”, celebra o cervejeiro.

Paulo e Samuel Cavalcanti (1)

A brassagem escoceça terá aproximadamente 120 mil litros. Vai dar continuidade ao projeto internacional da marca curitibana, e prevê que parte desta produção seja importada para o Brasil, mas esta possibilidade não está descartada. “Teremos algumas leves mudanças, como a utilização de água local. A base é nossa receita campeã e já conhecida no Brasil. Mesmo assim, ela ganha uma nova leitura ao ser fabricada fora”, resume Samuel. Lançada há cinco anos, como primeira cerveja da Bodebrown, a versão brasileira inicial já foi exportada para Canadá, França e Austrália, e ganhou diversos prêmios, incluindo duas medalhas de ouro no Mondial de La Bière no Canadá, em 2011 e 1012.

“A Inglaterra vem sendo uma grande fonte de inovação para o mundo cervejeiro. Com mais este passo por lá, nos aproximamos desta matriz criativa que vem influenciando o mundo inteiro”, completa Samuel. “O Brasil já é reconhecido como um produtor de qualidade”.