29/06/17 | Cervejas e Comidas

Confraria feminina da Goose Island lança Double Brown Ale em apoio à mulheres na área de tecnologia

Segunda cerveja da confraria de mulheres Goose Island Sisterhood terá 100% da renda revertida para o coletivo Maria Lab

A Goose Island Sisterhood, confraria de mulheres que estimula o engajamento em temas diversos e cria cervejas especiais, com a renda revertida integralmente para instituições que defendam causas importantes para o gênero, acaba de lançar seu segundo rótulo. Enedina, uma homenagem à primeira engenheira negra do Brasil, terá 100% da renda revertida para o coletivo Maria Lab.
“Após o sucesso da Carolina, primeira cerveja que criamos juntas para ajudar o coletivo de mulheres negras Di Jejê, em discussão com as participantes da Confraria que atuam em áreas de tencologia e ciências, achamos que este era o momento de darmos luz à disparidade da mulher neste universo”, explica Beatriz Ruiz, gerente de conhecimento cervejeiro da Ambev e criadora da confraria.

Enedina Alves Marques foi a primeira mulher a ter graduação em Engenharia no estado do Paraná, formada pela Universidade Federal do Paraná, e primeira engenheira negra do Brasil. A homenageada foi escolhida após votação realizada no grupo do Facebook do projeto com outros três nomes de mulheres da área da Ciência.

Enedina – R$11,50 (200ml), R$20 (450ml) e R$24 (570ml) – é uma Double Brown Ale, uma cerveja mais escura, maltada, com aromas de caramelo e leve malte torra que leva pinhão na receita. Tem o teor alcoólico mais elevado, ideal para os dias frios. “A bebida faz referência a personalidade da Enedina Alvez, que de origem humilde sempre foi uma guerreira para enfrentar os preconceitos e desafios de uma mulher negra no Brasil que escolheu atuar como engenheira, e o Paraná, seu estado natal, região de clima mais frio com abundância de pinha”, descreve Beatriz.

100% do montante arrecado será revertido para o coletivo Maria Lab, um hackerspace feminista voltado para mulheres trocarem informações e conhecimentos sobre tecnologia, ajudando a aumentar a presença delas nesta área. O projeto promove oficinas e palestras para educar meninas e mulheres em assuntos como eletrônica, programação, raciocínio lógico e tudo que complemente competências para o desenvolvimento de novas tecnologias.